As clínicas e consultórios de medicina dentária mantêm-se abertas durante o confinamento geral anunciado ontem, 13 de janeiro, pelo primeiro ministro. As medidas apresentadas por António Costa vigoram a partir de amanhã, 15 de janeiro.

Para o bastonário da OMD, esta decisão é “sinal de que recebemos a confiança do Governo”. Em entrevista à TVI, Miguel Pavão salientou que “as normas, os protocolos em vigor estão a funcionar” e, portanto, os “portugueses não precisam deixar de cuidar da sua saúde oral”. Estas unidades são “lugares seguros” e os médicos dentistas são agentes importantes na comunidade, pois “vão dar auxílio e prestar informação à população”.

O responsável constatou ainda que, segundo dados levantados pela OMD e que coincidem com estudos internacionais, as taxas de infeção das equipas de medicina dentária em ambiente clínico são “muito baixas”. E explicou os motivos: estes profissionais estão preparados para o controlo da infeção cruzada.

Miguel Pavão aproveitou para esclarecer a população de que o atendimento médico, nomeadamente as consultas no médico dentista, está entre as deslocações autorizadas.
Vacinação de médicos dentistas

Relativamente ao processo de vacinação, o bastonário referiu que a Ordem realizou o mapeamento de médicos dentistas que pretendem integrar a primeira fase de vacinação, contando até ao momento com mais de oito mil registos.

Quanto à operacionalização, as vacinas serão administradas através dos centros de saúde, não existindo neste momento uma data precisa, porque “há muita limitação de lotes vacinais”. “Há médicos dentistas neste momento já vacinados, nomeadamente no setor público, mas falta o grande número que é o setor privado”, alertou. Para Miguel Pavão, este é o grande desafio.

O responsável referiu que, perante este cenário, a OMD propôs à “task force” para a elaboração do “Plano de vacinação contra a COVID-19 em Portugal” a priorização dos médicos dentistas e outros profissionais de saúde através de “medidas excecionais”, como o fator “idade” ou “comorbidades”.

Assistentes dentárias e colaboradores

Questionado quanto à inclusão das equipas de medicina dentária na primeira fase de vacinação, Miguel Pavão indicou que a coordenação da “task force” confirmou à OMD que a vacinação vai abranger apenas os médicos dentistas. “Já demonstrámos que todas as equipas deveriam também ser vacinadas”, uma vez que os “assistentes e auxiliares de medicina dentária estão tão expostos ao fator de risco como qualquer outro profissional de saúde”.

Também nesta questão, a Ordem está a trabalhar proativamente no sentido de que este grupo seja vacinado “tão breve quanto for possível”. “Certamente que com maior disponibilidade de vacinas”, a “task force” vai ouvir as recomendações da OMD.