Para acompanhar a evolução dos conhecimentos técnicos e científicos, a Ordem dos Médicos Dentistas prepara-se para avançar com a implementação das competências setoriais dos médicos dentistas. Nesse sentido, auscultou os seus membros acerca das aptidões que estes consideram prioritárias e debateu as diversas opções no 28º Congresso.

Num painel de antevisão, profissionais de diversas áreas debateram as seguintes áreas: gestão de unidades de saúde (Filipa Breia da Fonseca, moderada por Laredo de Sousa), medicina dentária forense (La Salete Alves, Maria Inês Guimarães e Joana Figueiredo, moderada por José Pinto da Costa), harmonização facial (Virgínia Santos, Mário Mendanha, Vanda Martins Ventura e André Mariz de Almeida, moderada por Ricardo Faria e Almeida), acupuntura em medicina dentária (Maria João Rodrigues, Carlos Faria, Carlos Miguel Marto e Hugo Tsou Ferraz, moderada por Eunice Carrilho), medicina dentária desportiva (Luís Redinha, Vítor Hugo Silva, André Teixeira de Júdice e Miguel Pais Clemente, moderada por Nuno Montezuma de Carvalho), medicina dentária do sono (Gabriela Soares Videira, Miguel Meira e Cruz, Mariana Winck e Cristina Caroça, moderada por Marta Drummond), sedação consciente (Fernando Mesquita Gabriel, Ana Coelho e Luísa Bandeira Lopes, moderada por Luís Pedro Ferreira), ozonoterapia em medicina dentária (João Antonino Gomes, João Gonçalves, Fernando Morais Branco e Ana Gonçalves, moderada por Artur Lima) e medicina dentária do trabalho (Manuel Augusto Oliveira, Catarina Aguiar Branco, Eliete Camanho, Paulo Ribeiro de Melo, António Barroso, La Salete Alves e Filipa Carvalho Marques, moderado por Cristina Manso).

As conferências, enquadradas Na Ordem do Dia, foram muito participadas e representam o ponto de partida para o Conselho Diretivo dar início ao processo. Partindo do feedback obtido em cada sessão e dos resultados do inquérito enviado à classe sobre esta matéria, a Ordem vai definir quais as áreas prioritárias a regulamentar.

Recorde-se que, no questionário, os médicos dentistas elegeram a sedação consciente (64,67%), a harmonização facial (56,53%) e a gestão de unidades de saúde (39,10%) como as competências que gostariam de ver regulamentadas em breve. Além das opções apresentadas, sugeriram ainda a implementação de outras novas competências, com destaque para a disfunção temporomandibular e a dor orofacial.

A Ordem pretende com esta iniciativa contribuir para o alargamento dos horizontes da medicina dentária, oferecendo aos seus membros ferramentas adicionais num contexto crescentemente competitivo e valorizador da profissão e das competências que lhe são reconhecidas. De igual forma, é mais um passo para o utente reconhecer o papel do médico dentista na saúde em geral e na qualidade de vida.