21 de abril 2011

A data limite para a inscrição foi atingida.

Resumo

É fundamental a necessidade de atingir um alto grau de fiabilidade e exactidão dos modelos de trabalho. Para tal, as técnicas de impressão existentes têm como objectivo a reprodução das estruturas biológicas e das plataformas protéticas existentes.

No entanto existem variáveis de decisão clínica e laboratorial que podem levar a alterações dimensionais do modelo de trabalho.

A utilização de próteses provisórias (em carga imediata ou deferida) e a manipulação dos tecidos gengivais é fundamental para aferir vários critérios fundamentais de sucesso: perfil de emergência, forma, volume e comportamento fonético.

A impressão definitiva deve ser efectuada após a maturação e estabilização destes tecidos.

Técnicas como a ferulização das coifas de impressão, materiais de impressão, bem como diferentes métodos de confecção de falsa gengiva ou materiais de confecção do modelo de trabalho podem condicionar o sucesso e fiabilidade do modelo de trabalho

Nesta apresentação, baseada em casos clínicos, pretende-se abordar as diferentes técnicas de impressão em Implantologia.

Serão abordados casos de reabilitações unitárias, parciais, totais e casos combinados de prótese fixa sobre dentes naturais e sobre implantes.

 

Miguel Guimarães

Médico Dentista, licenciado pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte Miguel Guimarães

Clínica Integrada na Faculdade de Odontologia da Universidade de Toulouse

Master em Cirurgia Oral e Implantologia pela Universidade de Toulouse

Prática exclusiva em Implantologia e Reabilitação Oral

Docente de Implantologia (2002/2008) e Prostodontia do curso de Medicina Dentária da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa

Doutorando na Universidade de Barcelona

Curso ministrado por

Miguel Guimarães