Giovanni Lodi

Tratamento da leucoplasia oral: qual a evidência de sucesso na prevenção da transformação maligna

  • Licenciado em Medicina Dentária pela Università degli Studi di Milano, em 1991
  • Doutorado pela Universidade de Londres, em 1998
  • Professor na Faculdade de Medicina e Medicina Dentária da Università degli Studi di Milano, desde 2002
  • Autor de cerca de 200 trabalhos no campo da medicina oral, medicina dentária baseada na evidência e necessidades especiais
  • Professor associado com funções clínicas na Università degli Studi di Milano, desde 2015
  • Professor sénior honorário do Departamento de Medicina Oral do Eastman Dental Institute – UCL Londres, desde 2004
  • Membro do Comité Diretivo do Workshop Mundial de Medicina Oral, desde 2011
  • Editor chefe da revista Dental Cadmos, desde 2011
  • Editor do Cochrane Oral Health Review Group, desde 2013
  • Editor chefe da revista Oral Diseases, desde 2017

Nacionalidade: Itália

Área científica: Medicina oral

16 de novembro, das 14h30 às 16h00

Auditório B

Resumo da conferência

A leucoplasia oral é uma lesão oral relativamente comum que, numa pequena proporção de pessoas, precede o desenvolvimento do cancro oral. A maioria dos pacientes afetados é assintomática; portanto, o objetivo principal do tratamento deve ser prevenir o aparecimento de cancro. Além disso, devido aos objetivos preventivos do tratamento e à relativamente baixa taxa de incidência de cancro oral, provavelmente em torno de 1 a 2% ao ano (ou seja, muitos pacientes com leucoplasia recebem tratamento desnecessário), uma característica essencial do tratamento do paciente afetado pela leucoplasia é a segurança.

As diferentes abordagens propostas incluem a excisão cirúrgica com diferentes técnicas, tratamentos médicos tópicos ou sistémicos, cessação das atividades de risco (tabagismo e álcool) e nenhuma intervenção além de vigilância rigorosa (esperar e avaliar). Infelizmente, muito poucos estudos consistentes testando a eficácia de tais tratamentos foram realizados e, atualmente, não há evidências de que qualquer um dos tratamentos propostos para pessoas com leucoplasia possa reduzir a probabilidade de desenvolvimento de cancro oral.