Ivo Krejci

O conceito revolucionário de dentisteria sub-clínica

  • Licenciatura em 1986 e habilitação de livre-docência em 1993, pela Universidade de Zurique, Suíça.
  • É membro da Academy of Dental Materials e possui um diploma de especialização pós-graduada da Sociedade Suíça de Odontologia Preventiva e Restauradora.
  • Publicou mais de 350 artigos e capítulos de livros sobre tópicos restauradores e é autor de vários livros didáticos.
  • Orientou mais de 60 teses de doutorado e foi palestrante em inúmeras reuniões científicas internacionais e cursos de educação continuada.
  • De 1998 a 2022, desempenhou funções como docente e regente do Departamento de Cariologia e Endodontologia da Universidade de Genebra, Suíça.
  • Entre 1999-2004, foi diretor do Departamento TERBO, Secção de Medicina Dentária, Universidade de Genebra.
  • De 2000 a 2009, foi vice-presidente da Secção de Medicina Dentária, Universidade de Genebra.
  • De 2009 a 2018, presidiu as Clínicas Odontológicas Universitárias (CUMD) da Universidade de Genebra.
  • Entre 2014-2022, foi diretor do Departamento de Medicina Dentária Preventiva e Clínica Integrada da Universidade de Genebra.
  • A partir de 2015, foi fundador e diretor do Mestrado de Estudos Avançados em Odontologia Estética Microinvasiva e, a partir de 2019, foi cofundador e codiretor do Mestrado de Estudos Avançados em Tecnologias Odontológicas Digitais da Universidade de Genebra.
  • De 2011-2022, assumiu o cargo de consultor científico da Escola de Higienistas Dentários de Genebra.
  • A partir de 2022, desempenha funções de diretor médico da AILLY, Lausanne, Suíça e consultor científico e clínico da SmilEvasion, Genebra, Suíça.

Nacionalidade: Suíça

Área científica: Dentisteria operatória

9 de novembro, de 14h30 às 19h00

Auditório A

Resumo da conferência

Dentro do conceito de prevenção, existe a chamada “prevenção primária” que procura evitar o aparecimento de bolsas periodontais e lesões de cárie. Quando este tipo de prevenção falha, sintomas clínicos surgem e necessitam de tratamento. A reparação dos tecidos na medicina dentária clássica consiste em intervenções restauradoras clássicas e cirurgia periodontal.

Este tipo de intervenção é destrutiva, pois para a restauração clássica, material dentário é removido permanentemente e na intervenção periodontal algum osso será perdido. Além disso, a reparação não é perfeita. Após algum tempo, novas restaurações e tratamentos periodontais são necessários, resultando em mais perda de tecido dentário e osso, entrando por vezes numa espiral descendente, que leva à inevitabilidade da extração dentária. Tudo isto é bem conhecido e aceite, mas não é necessariamente a única forma de abordar esta problemática nos dias de hoje.

A questão é que existe um intervalo entre prevenção e restauração a que damos o nome de medicina dentária subclínica. É baseada em diagnóstico subclínico, lida com sintomas subclínicos e aplica métodos subclínicos de tratamento. Por exemplo, no caso da lesão de cárie, é utilizada uma combinação de métodos óticos de visualização da lesão muito inicial que, no caso de estar ativa, é tratada com materiais biomiméticos.

Portanto, a dentisteria subclínica permite ganhar tempo e, na melhor das hipóteses, reverter o processo contínuo de destruição permanente do dente. A apresentação vai incidir nos diferentes aspetos da dentisteria subclínica e como se integra num conceito moderno de medicina dentária.

 

Bronze sponsor